Cuiaba (MT), 13 de julho de 2020 - 05:58

Economia

2,25% AO ANO 23/06/2020 14:59 Poder360

Abril foi o pior mês para a economia, diz ata do Copom

Em ata da última reunião, o Copom (Comitê de Política Monetária) afirmou que o menor nível de atividade econômica foi registrado em abril deste ano, com recuperação parcial em maio e junho. De acordo com o colegiado, os dados do 2º trimestre indicam que haverá forte contração do PIB (Produto Interno Bruto) no período.

O documento foi publicado nesta 3ª feira (23.jun.2020). Eis a íntegra.

 

O PIB brasileiro recuou 1,5% no 1º trimestre do ano. As medidas de isolamento social foram adotadas pelos Estados e municípios em meados de março para combater pandemia de covid-19. Projeções indicam que a economia cairá mais de 10% no 2º trimestre.

“O cenário básico considerado pelo Copom considera uma queda forte do PIB na primeira metade deste ano, seguida de uma recuperação gradual a partir do 3º trimestre”, disse a ata.

Sobre os programas de estímulo ao crédito e de auxílios emergenciais, os diretores do BC avaliam que têm potencial de recompor parte significativa do consumo que seria perdido com os efeitos da pandemia. “A recuperação da economia pode ser mais rápida que a sugerida no cenário base”.

O colegiado –formado por diretores do BC (Banco Central) derrubou pela 8ª vez consecutiva a taxa básica Selic na última 4ª feira (17.jun.2020) para estimular a economia. Os juros estavam em 3% ao ano e passaram para 2,25% ao ano. Os diretores do Banco Central sugeriram redução “residual” do percentual na próxima reunião, que será em 4 e 5 de agosto.

De acordo com a ata, a reação dos governos e bancos centrais das principais economias mundiais tem apresentado coordenação e dimensão inéditas, “o que tem mitigado parcialmente os impactos econômicos da crise”.

Mas os diretores do BC avaliam que, ao contrário de outras crises financeiras, “o epicentro se desloca para todos os países, juntamente com a pandemia [de covid-19]”.

“Com isso, os efeitos sanitários e econômicos da pandemia tornam-se desproporcionalmente maiores nos emergentes, em particular naqueles com menor espaço fiscal, o que tende a ser refletido na aversão ao risco e no fluxo de capital para esses países. Sendo assim, embora tenha havido alguma moderação na volatilidade dos preços dos ativos, o ambiente internacional segue sendo desafiador para a economia brasileira”, disse a ata.

O Copom também afirmou que o impacto da pandemia sobre a economia será desinflacionário –de queda nos índices de preços. Também será associado a forte aumento do nível de ociosidade dos fatores de produção. Os diretores disseram que haverá aumento da poupança das famílias em precaução, além de redução da demanda por consumo.

A Selic já estaria em nível próximo em que as reduções adicionais podem ser “acompanhadas de instabilidade nos preços de ativos e potencialmente comprometer o desempenho de alguns mercados e setores econômicos”. Quanto menores os juros, pior a atratividade para investidores estrangeiros no país.


Resumo Online

E-mail
Redação: redacaocopopular1@gmail.com

Telefones
(65) 3052-6030 / (65) 3052-6030

Todos os Direitos Reservados para Resumo Online

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo